Menu
Your Cart
Frete GRÁTIS para compras acima de R$ 200,00
Pague em 5x SEM JUROS no cartão de crédito
GANHE 5% de desconto ao retirar na loja

A Gata, Um Homem E Duas Mulheres / O Cortador De Juncos

A Gata, Um Homem E Duas Mulheres / O Cortador De Juncos
A Gata, Um Homem E Duas Mulheres / O Cortador De Juncos

Autor: Jun'Ichiro Tanizaki

Editora: Estação Liberdade

Idioma: Português
Encadernação: Brochura
Ano: 2016
Número de páginas: 192
Idioma: Português
Formato: 14 x 21
Tradutor: Andrei Cunha / Clicie Araujo / Lidia Ivasa / Maria Luísa Vanik Pinto / Tomoko Gaudioso

R$ 42,00
R$ 31,50
Relações de dominação e submissão sempre alimentaram a literatura de Jun'ichiro Tanizaki. Se no clássico Diário de um velho louco ele se debruçou sobre a forma como um homem senil é facilmente manipulado pela jovem nora de belas curvas, por quem nutre uma irreprimível obsessão sexual, neste A gata, um homem e duas mulheres o escriba japonês eleva à quinta potência o nível de complexidade nos relacionamentos afetivos entre seus personagens. Narrativa breve publicada originalmente em 1936, a novela põe a gata Lily no centro da trama protagonizada pelo casal Shozo e a esposa Fukuko, e ainda pela ex-mulher do primeiro, Shinako. Shozo adora mimar a gata de todas as formas possíveis, o que deixa Fukuko enciumada - fato que já havia se dado também com a ex-esposa. Ciente da possibilidade de que isso volte a se repetir no novo relacionamento do ex-marido, Shinako planta a discórdia ao sugerir à rival Fukuko que se livre da bichana. É a gata Lily, portanto, que, à primeira vista, se insinua como ponto de desequilíbrio na normalidade dos personagens; no entanto, Tanizaki parece recorrer à gata como metáfora para a falência dos relacionamentos humanos. A intimidade que Shozo dispensa à Lily, como lhe dar de comer diretamente na boca, está longe de se repetir com a mulher. A própria troca de Shinako por Fukuko guarda uma série de interesses que evidenciam Shozo como uma figura patética

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.
Etiquetas: Jun'Ichiro Tanizaki