Menu
Your Cart
Frete GRÁTIS para compras acima de R$ 200,00
Pague em 5x SEM JUROS no cartão de crédito
GANHE 5% de desconto ao retirar na loja

A arte do ator entre os séculos XVI e XVIII : da commedia dell'arte a

A arte do ator entre os séculos XVI e XVIII : da commedia dell'arte a
A arte do ator entre os séculos XVI e XVIII : da commedia dell'arte a

Autor: Ana Portich

Editora: Perspectiva

Idioma: português
Encadernação: Brochura
Ano: 2008
Edição: 2
Número de páginas: 224
Idioma: português
Formato: 12,5 X 22,5
Coleção: Estudos 254

R$ 59,90
R$ 47,90
  • Stock: Em estoque
  • Editora: Perspectiva
  • ISBN: 9788527308274
"A Arte do Ator entre os Séculos XVI e XVIII", que a editora Perspectiva leva ao leitor pela sua coleção Estudos, analisa os principais conceitos que nortearam esta arte, no período em que foi pela primeira vez enunciada, da baixa Renascença até o Iluminismo. A preceptiva do ator aparece no século XVI, tendo como base a arte poética e a retórica, ambas consolidadas desde a Antiguidade e, portanto, referências obrigatórias para suas co-irmãs recém-nascidas, as artes do espetáculo. Como as nuanças da representação de uma peça acabam sendo definidas conforme a reação que se espera do público, o ator tem de incorporar ao seu desempenho essa oscilação, essa inconstância, razão pela qual os tratadistas não se pautam pelo modelo analítico-dedutivo da matemática, adotando antes um estilo errante, quase sempre em forma de diálogo. Desse modo, perpassam temas como a quarta parede, literalmente preceituada por Diderot no século XVIII, embora desde o XVI fosse requerida, em outros termos, por autores italianos. E, ao constatar que o valor didático do teatro reside no fato de que a devassidão dos atores desaparece em cena, podendo-se ali dar bons exemplos morais, o enciclopedista expunha um paradoxo que havia sido tratado em chave oposta no século XVII, por Nicolò Barbieri: fora do palco os atores são dignos e honestos mas, ao colocar máscaras de facínoras, servem de contra-exemplo para a platéia. Vemos também que nem sempre a comédia foi considerada um gênero libertário e que, no período em questão, recursos cênicos como o distanciamento são largamente utilizados, concorrendo para envolver ainda mais o espectador, ao invés de romper a ilusão. A arte do ator surge em teatros palacianos e casas de espetáculo, mas comparece com o mesmo peso nas encruzilhadas e tablados. Desmistificam-se assim algumas de nossas mais caras teorias de teatro.

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.